Qual é a diferença entre devil e evil?

Ambas as palavras remontam à idéia de transgressão, mas no uso geral elas evoluíram para significar coisas diferentes, muitas delas mitos urbanos.

  • O diabo é uma figura de culto em muitas religiões; o diabo se refere a ações ou efeitos de ações que são prejudiciais ou prejudiciais, o oposto do bem. Existem duas forças opostas no universo, mas essa visão não é suportada na Bíblia.

No uso do Novo Testamento, o Diabo era a idéia grega para "acusador falso" (lit. diabolos), ligada ao seu equivalente hebraico, Satanás (Satanas), que é "o adversário". Costuma-se pensar que esses são nomes para o mítico "anjo caído", mas a evidência é inexistente.

O Antigo Testamento, em vez disso, usa Satanás como procurador da corte (Ver Jó 1 e Zec 3) ou qualquer adversário.

Jesus nos evangelhos usou esses termos para seu inimigo e o inimigo de toda a humanidade: 'pecado em carne'. As pessoas de seus dias tinham uma série de crenças sobre 'demônios' (diamon - uma palavra diferente) e o Diabo, mas é difícil especular quais crenças que eles haviam adotado.

A idéia de um anjo caído é uma crença do Livro de Enoque, um documento espúrio de origem judaica desconhecida. As igrejas cristãs erroneamente conectaram essa crença com 'o diabo e Satanás' de Apocalipse 12, interpretando literalmente a frase idiomática 'expulso do céu'.

Se ficarmos longe do relativismo moral - veja A cultura americana está em declínio moral? - o mal pode ser definido como uma falta de bondade ou até que ponto há menos bondade do que deveria. Como um buraco de rosca, o mal é definido na medida em que tira; não é algo que existe por si só.

Se você é cristão - suponho que isso seja assumido na pergunta - o diabo, no entanto, é um ser real e definível. Certamente, o diabo é mau na medida em que ele exibe uma perda tão grande de bondade. Os cristãos acreditam que o diabo é um anjo caído que deu as costas a Deus:

A Igreja ensina que Satanás foi a princípio um anjo bom, feito por Deus: “O diabo e os outros demônios foram realmente criados naturalmente bons por Deus, mas eles se tornaram maus por suas próprias ações.” As escrituras falam de um pecado desses anjos. Essa "queda" consiste na livre escolha desses espíritos criados, que radicalmente e irrevogavelmente rejeitaram Deus e seu reinado. Encontramos um reflexo dessa rebelião nas palavras do tentador aos nossos primeiros pais: "Você será como Deus". O diabo "pecou desde o princípio"; ele é "um mentiroso e o pai da mentira". Catecismo da Igreja Católica

Enquanto apenas 68% dos americanos acreditam no diabo (O Diabo e os Detalhes Demográficos), todos, exceto os relativistas morais, acreditam no mal.

A letra "d"?

Sério, porém. Ambas são palavras que nós, como seres humanos, criamos para abordar conceitos.

O conceito de diabo não é algo que possamos medir (esta é nossa atual e apenas discutível) realidade (pelo menos até onde eu sei). O diabo é uma "personificação" divina do mal. Pelo menos para o meu entendimento. Eu postularia que nosso entendimento atual do Diabo vem mais do Paraíso Perdido de John Milton e do Inferno de Dante do que o que a Bíblia pode ou não dizer sobre ele.

"Mal", dependendo da sua definição e do que você considera "mal" pode ser mensurável. Como você chama o mal? Assassinato? Estupro? Genocídio? Seja você um cristão fundamentalista ou um humanista secular ateu, todos podemos concordar que isso é mau. Um chega à conclusão do "mal" através da religião e o outro através do humanismo.

O "pecado" é mau? O que é "pecado"? Como ateu, não acredito no conceito cristão de "pecado". Mas por uma questão de argumento ... Roubar é pecado? Roubar pão para uma criança faminta é "pecado"? Ser gay é pecado? Promover o casamento gay é pecado? Masturbar é pecado? Um cristão fundamentalista e um humanista podem ter visões muito diferentes e opostas sobre algumas dessas coisas serem "más".