Qual é a diferença entre cristãos ortodoxos coptas e cristãos ortodoxos orientais?

Quero acrescentar as diferenças já citadas em termos de sínodos e concílios da Igreja (por exemplo, Calcedônia) em que eles divergiram.

A Igreja Ortodoxa Copta considerou certos livros canônicos que a maioria das outras igrejas (incluindo a Igreja Ortodoxa Oriental) definiu como Apócrifos, como o Livro de Enoque e o de Esdra.

Os ortodoxos orientais (assim como os católicos romanos, católicos orientais e as principais igrejas protestantes) aceitam o ensino do Concílio de Calcedônia de que Cristo tem duas naturezas unidas em uma pessoa (por isso são chamadas de igrejas calcedonianas). Os ortodoxos coptas, juntamente com a Igreja Ortodoxa Síria / Síria e a Igreja Apostólica Armênia, sustentam que Cristo tem apenas uma natureza e rejeitaram os ensinamentos do Conselho da Calcedônia.

A igreja copta é a única igreja que manteve a mesma fé desde 40 dC até agora. Eles lutaram pelo sangue para manter seus ensinamentos.

ensino copta entregue a partir de São Marcos na época de Jesus. Eu li muito sobre eles e começo a ir à igreja deles e sinto que estou em casa lá.

O ensino da igreja copta lhe dará paz e mostra o caminho mais claro de como andar com Jesus todos os dias.

Mas outras igrejas ortodoxas compartilham o mesmo ensinamento, mas há diferentes quando você vai à igreja copta que você está nas igrejas paternas que têm a mesma fé desde 40 dC.

Que o Senhor te abençoe e guarde.

Grandes avanços foram feitos em direção à reunificação, porque parece que há muito tempo, no século IV ... havia um mal-entendido de quem acreditava no quê. A heresia era desenfreada.

Hoje, o mais rápido possível (acho que há décadas), seremos um novamente.

Então o que aconteceu?

🌺A diferença simplificada há muito tempo tinha a ver com a definição de 'quem é Cristo na natureza'.

Arquidiocese Ortodoxa Grega:

Cristo nasceu com duas naturezas perfeitas, a divina e a humana, como Deus-homem. Quando um cristão se refere a Cristo no Antigo e no Novo Testamento, deve pressupor o fato das duas naturezas de Jesus Cristo que são manifestas em Seu Evangelho e ações.

Os cristãos coptas foram acusados ​​de acreditar no monofisismo - a crença de que Cristo tinha apenas uma natureza divina. Os cristãos coptas traçam sua fundação até o apóstolo São Marcos. A tradição sustenta que Marcos trouxe o cristianismo para o Egito.

Os coptas são miafisitas. Eles acreditam que Cristo tem duas naturezas divinas e humanas, indivisas. (ver abaixo).

Igreja de Alexandria (copta)

Diferenças misteriosas:

  • A Igreja Ortodoxa Copta rejeitou o Concílio de Calcedônia porque discordava da cristologia que era aceita nele. Nomeadamente, o Concílio sustentou que Cristo era de duas naturezas (humana e divina), enquanto a Igreja Copta sustentava que Cristo era de uma natureza (que era humana e divina). Não importa nem um pouco. Hoje em dia, as Igrejas Ortodoxas Orientais (às quais a Igreja Copta pertence) sustenta que a cristologia deles sempre foi a mesma que os cristãos calcedonianos e é apenas uma questão de fraseologia. Alguns membros das igrejas ortodoxas orientais estão mais hesitantes em aceitar isso.
  • Como eles rejeitaram o Conselho de Chalcedon, eles também não se enquadram em nenhum dos conselhos que o seguiram; portanto, é teoricamente um grande ponto de divergência, mas não conheço outras discrepâncias teológicas 'importantes' que tenham resultado.

Praticamente, as diferenças estão principalmente na estética e na cultura. Copta é a língua litúrgica; a liturgia de São Basílio é usada (a liturgia de São João Crisóstomo é mais comum nas igrejas ortodoxas orientais); etc. Regras e horários de jejum diferentes. Há uma diferença substancial bastante insignificante na minha opinião - isto é, combustível insignificante para eles não estarem em comunhão um com o outro. Eu acho que é principalmente que o OE quer que eles aceitem todos os conselhos pós-Calcedônia, mas o OO realmente não quer, porque é uma negação da história deles.

P: Qual a diferença entre cristãos ortodoxos coptas e cristãos ortodoxos orientais?

Bem, eu não tinha nenhum desejo especial de responder a essa pergunta, mas desde a resposta de John Grantham, Esq. espalha informações equivocadas e ele me bloqueou quando eu quis educadamente explicar a ele, eu responderei (e colocarei de uma maneira bastante simplificada).

A teologia protocóptica alexandrina surgiu como a feroz oposição ao nestorianismo, a teologia que influenciou a Igreja Assíria do Oriente. O nestorianismo enfatizava bastante a separação entre o aspecto divino e o humano em Jesus, e era, portanto, visto como uma forma de um diofisismo radical. Nestorianos, portanto, até rejeitaram o termo Theotokos ("portador de Deus") para Maria, porque alegavam que Maria deu à luz apenas a humanidade, mas não a divindade (a divindade era vista como não unida à humanidade de Jesus). Os ensinamentos nestorianos foram proibidos no Concílio de Éfeso (que foi aceito total e calorosamente pelos coptas).

A tradição protocóptica alexandrina, pelo contrário, enfatizava muito a união inseparável do aspecto divino e humano em Jesus, essa teologia é chamada miafisitismo. Eles também foram os principais apoiadores do título Theotokos para Mary. No entanto, a teologia do miafisitismo às vezes parece evoluir para o monofisitismo (a crença de que a divindade e a humanidade de Jesus se fundiam).

O Concílio de Calcedônia enfatizou que duas naturezas, divina e humana, sempre existem em Jesus, então rejeitaram a teoria monofisita de se misturarem. Os coptas rejeitaram esse Concílio, porque acreditavam que isso expressa as crenças nestorianas (embora isso não ocorra de acordo com o entendimento ortodoxo oriental). Os coptas foram declarados monofisitas, embora se considerassem miafisitas (embora existissem tendências monofisitas entre alguns deles). A posição miafisita, diferentemente do monofisismo, não é muito contraditória à posição ortodoxa oriental. Por essa razão, quando os ortodoxos orientais e os ortodoxos orientais (ou seja, coptas e outros) reabriram seu diálogo nos tempos modernos, descobriram que suas diferenças teológicas são muito menores do que acreditavam nos tempos antigos.

Nota: Não confunda Nestorianismo com Monofisitismo ou Miafisitismo como John Grantham, Esq. sim (não, nestorianismo nunca foi usado como um termo alternativo para monofisismo)! O nestorianismo sempre foi visto como um Dyophysitism radical, a antítese do Monophysitism, que também é totalmente incompatível com o Miaphysitism.

Infelizmente, nenhuma das respostas até agora realmente o acertou.

A principal e principal diferença está em sua cristologia, em outras palavras, como eles entendem a natureza exata de Jesus Cristo: Ele é totalmente Deus e totalmente humano (a posição da Calcedônia, defendida pelos ortodoxos) ou algum tipo de versão conjunta (a Posição ortodoxa oriental defendida pelos coptas)?

Outra resposta chama isso de arcano, o que é verdade. Também afirma que é inútil ou irrelevante, e não concordo. Houve um ponto no argumento, que explicarei aqui.

  • Se Jesus é totalmente humano, mas não divino, então ele é apenas um profeta - não diferente de Moisés ou Maomé - e, portanto, incapaz de efetuar nossa salvação. O Jesus humano era mais ou menos a posição dos primeiros cristãos judeus em Jerusalém, embora muitos acreditassem que Jesus se tornaria divino em uma data posterior, como no seu batismo.
  • Se Jesus é totalmente divino, mas não humano, então não podemos realmente ter um relacionamento pessoal com ele. A crucificação também perde seu significado. Podemos também ter pregado um espaço alienígena na cruz. Os gentios helenísticos freqüentemente se apegavam a esta versão de Jesus.

Assim, a Igreja primitiva decidiu, logicamente, que Jesus é ambos. Mas, mesmo assim, surge a questão de como isso é possível e o que exatamente Jesus é.

  • Se as duas naturezas de Jesus são completamente separadas, estamos efetivamente de volta aos problemas do primeiro ponto acima. A crucificação afetaria logicamente apenas a natureza humana de Jesus, diminuindo seu significado.
  • Se as duas naturezas de Jesus são totalmente fundidas e misturadas em uma única natureza, isso o torna totalmente único e diferente de Deus e da humanidade. Então, voltamos ao problema do segundo ponto acima.

Mais uma vez, a Igreja encontrou uma solução de compromisso que resolveu esses problemas. O Concílio de Calcedônia decidiu que Jesus tinha duas naturezas (separadas!) Em uma única pessoa, mas essas naturezas separadas não podem ser desmontadas novamente.

Até aqui, os ortodoxos orientais (incluindo os coptas) e os ortodoxos calcedonianos podem concordar alegremente. O problema surgiu principalmente de como eles viam não Jesus, mas Maria.

Os linha-dura do Conselho insistiram em chamar Maria de Theotokos ou "Portadora de Deus", o que implica que Maria deu à luz Deus. (De fato, no cristianismo ocidental, tornou-se comum chamar Maria a Mãe de Deus.) Muitos cristãos do extremo oriente, particularmente aqueles que seguem a escola antioquena de teologia, se opuseram a isso. Eles boicotaram o conselho, e os participantes da linha dura os acusaram de monofisitismo, a crença herética que descrevi no quarto ponto acima. Alguns até chamaram o monofisitismo de "nestorianismo", em homenagem ao líder dos orientais, Nestório.

Infelizmente, Nestório e seus seguidores não estavam lá para se defender, então o nome ficou. E é francamente totalmente errado (e levemente ofensivo para os ortodoxos orientais). Os orientais realmente ensinam uma forma de Miaphysitism, que é uma posição defendida pelos moderados no conselho. A diferença entre o miafisitismo e a cristologia calcedoniana é extremamente difícil de definir, pois ambos concordam que Jesus tem duas naturezas separadas em uma única união hipostática. Essencialmente, o Miaphysitism se desloca um pouco para a quarta posição acima, mas, na realidade, atende à definição de Calcedônia (apenas).

Os orientais recusaram-se a aceitar o conselho da Calcedônia, que causou a divisão entre a Ortodoxia e a Ortodoxia Oriental.

Naturalmente, eles também se recusaram a reconhecer os conselhos após Calcedônia, que, no que dizia respeito a eles, não os envolviam ou os afetavam.

Portanto, embora isso possa parecer misterioso, definitivamente não é irrelevante. De fato, é a pedra angular do cristianismo como a conhecemos.

-

Greg Burns inspirou essa tentativa grosseira de explicar a cristologia ortodoxa calcedônia e oriental com uma observação que ele fez nos comentários.

Peças de piano são tocadas com as duas mãos. Cada mão tem um papel totalmente diferente, mas complementar. As duas partes soam bem diferentes uma da outra quando tocadas separadamente. No entanto, quando tocados juntos, eles criam algo novo, uma união de duas partes separadas e ainda identificáveis. Uma peça de música, mas duas partes separadas e únicas.

Não é uma explicação perfeita, mas um começo. (A cristologia é um verdadeiro campo minado ...)

-

Dois comentaristas me acusaram de dizer que Nestório ensinava monofisismo. É irritante ter pessoas que não leem o que eu escrevi e colocam palavras na minha boca. Eu não disse isso. Não acuse pessoas ou tire conclusões precipitadas em uma tentativa de brincar de pegadinha. Se você o fizer, eu vou bloquear você e excluir seus comentários. Não tenho paciência com esse tipo de coisa.