O terminador vs terminador 2

A pergunta que você fez é tão antiga quanto a humanidade. O que veio primeiro, a galinha ou o ovo? Por que existe algo em vez de nada? O Terminator 2 foi melhor que o Terminator 1?

Não tenho respostas para as duas primeiras perguntas, mas pessoalmente valorizo ​​mais o Terminator 2. É apenas preferência pessoal, não uma declaração objetiva. Mas os dois filmes são ótimos, e eu até gosto de Terminator 3, embora este filme não seja tão bom quanto os dois anteriores.

Eu acho que T1 é uma ótima idéia. Pós mundo apocalíptico, guerra entre máquinas e seres humanos, e a única maneira de erradicar os seres humanos é matar o herói que pode lutar contra as máquinas. Mas ele já fez seu trabalho, então as máquinas precisam ir ao passado e matar sua mãe. É uma demonstração brilhante do paradoxo da viagem no tempo e um filme legal. Eu o vi quando criança, e a ideia de que o assassino humano é realmente uma máquina foi ótima para mim naquele momento.

O que eu gosto no T2 é que não é uma continuação simples, mas acrescenta algo à história. Primeiro, torna a história mais consistente. Em T1, as coisas eram muito vagas: alguma guerra nuclear, máquinas dominavam o mundo, etc. Em particular, Kyle Reese diz que “ninguém sabe quem começou a guerra”. No T2, isso é feito mais preciso. Um sistema de computador muito complicado adquiriu a consciência e percebeu que os seres humanos são perigosos para as máquinas e, por isso, decidiu eliminá-los antes que eles pudessem ameaçá-lo. Como é possível que os humanos desenvolvam um sistema de computador tão sofisticado? Bem, a resposta é, porque eles encontraram um terminador em alguma fábrica. Não funcionou, estava quebrado, mas ajudou as pessoas a projetar novas máquinas. E aqui o paradoxo do tempo se torna muito explícito: as pessoas desenvolveram máquinas autoconscientes, porque encontraram uma máquina que veio do futuro. Então, quem realmente desenvolveu essas máquinas? Afinal, esta é uma questão científica: se a viagem no tempo é possível, como você resolve esses paradoxos?

Também gosto da relação entre o jovem John Connor e o exterminador, o bom. Há uma cena excluída, na qual o Terminator explica que o cérebro dos terminadores é capaz de aprender coisas novas, mas a Skynet bloqueia essa capacidade por circuitos especiais. Na cena deletada, Sarah e John removem esse circuito do cérebro do terminador, para que ele possa aprender e entender os sentimentos humanos.

Por exemplo, ele está tentando entender por que as pessoas choram. É por causa da dor? John não pode realmente explicar isso, mas o terminador continua tentando. No início do filme, ele não hesita em matar um humano, mas, à medida que o filme evolui, ele promete não matar humanos e, quando atira na polícia, ele afirma que não mata ninguém.

Além disso, Sarah percebe que essa máquina, terminadora, é de certa forma o melhor pai que John já teve. Sim, ele está apenas programado para protegê-lo, mas, ao contrário de pessoas reais, ele sempre o protegerá. Ele nunca o deixará, ele estará aqui para ele a qualquer momento, sob quaisquer circunstâncias.

No final, o terminador ruim é morto e parece que tudo está resolvido. Mas o bom terminador percebe que o dia do julgamento não pode ser evitado se ele permanecer vivo. Porque se o fizer, a próxima geração de pessoas encontrará seu chip e projetará máquinas inteligentes novamente e o dia do julgamento acontecerá de qualquer maneira. Então ele decide se matar. Mas ele não pode fazer isso e, portanto, pede que Sarah o mate. John chora e não quer que ele vá, e o terminador diz: "Agora eu sei por que você está chorando, mas isso deve ser feito".

No final do filme, Sarah diz (não me lembro das palavras exatas) “Pela primeira vez na minha vida, sinto alguma esperança. Porque se o terminador, a máquina, pudesse entender o valor da vida humana, talvez um dia também o compreendamos. ”

Então, além de truques e efeitos especiais, essa é uma mensagem moral que tirei do filme e acho que torna esse filme melhor que o Terminator 1.