O filme brilhante vs livro

Oh senhor, por onde começar.

Vamos começar com Jack Torrence. No filme, ele é uma espécie de shlub. Ele começa com pouca personalidade, o que é meio que guardado para mais tarde na história, quando a casa entra em sua cabeça e ele se torna - um PALHAÇO. Seriamente. Entendo que é filme e é mais difícil ser mais cerebral, e Jack Nicholson é um ator sério e ótimo no papel - mas o papel não é o personagem de Stephen King. Ele não é assustador. Ele é tão assustador quanto Freddie Kruger - que começa assustador, mas se transforma em palhaçada.

No livro, Jack é um homem que luta - um alcoólatra em recuperação que uma vez machucou seu filho em um ataque de raiva que o lembrou de seu próprio pai abusivo. Ele está lutando para nunca mais se tornar essa pessoa e consertar os relacionamentos que mantém com sua família, embora em certo nível ele não sinta que merece o perdão deles. Ele acha que esse trabalho no hotel não seria apenas uma oportunidade de se manter sóbrio, mas também de manter sua família unida. Ele se torna literalmente possuído pelo mal que é o hotel. É um espírito em si que se alimentou e cresceu ao longo dos anos com a morte e a escuridão que aconteceram no passado do hotel. A tempestade de neve prende a família, tornando-a presa fácil do mal que vive dentro das paredes e dos quartos.

No final da história, ele não é mais Jack - ele é o Overlook. E no livro, ao contrário do filme, ele é aterrorizante. Ele não é excêntrico - não há "Aqui está Johnny!". Há esse homem, quebrado e lutando para lutar contra a coisa dentro dele, mancando pelo corredor do hotel, arrastando um martelo de crochê de cabo longo, e as palavras que ele está dizendo enquanto chama o filho não são dele - são do pai dele.

"Venha aqui, filhote! Tome seu remédio."

Quanto ao filho, Danny, no filme ele é um idiota. Quero dizer, o garoto é sombrio. Não quero ser mau, mas o garoto é um desperdício de espaço. Ele mal fala e quando fala - na recepção. Eu sei que é difícil conseguir um filho dessa idade que possa agir, mas você fica um pouco mais velho e os torna um pouco mais parecidos com o livro e você realmente se importa com o que acontece com ele. Não estou dizendo no filme que você não se importa se ele morre ou não - não sou insensível, mas você realmente não está investido nele.

No livro? Uau. No livro, Danny é o herói. Ele é o personagem principal. O livro é sobre sua família, mas é centrado nele. Ele é especial - um poderoso médium. Algo que seu amigo Dick Hallorann chama de "Brilhando". E isso é importante, porque a história toda é sobre isso. O filme mal o menciona em mais de uma cena - o filme é CHAMADO O BRILHO, mas dificilmente reconhece que o garoto tem poderes. E Danny é brilhante. Ele é interessante e, para a idade dele, é um personagem atraente que você torce e se preocupa. Quando ele vê, realmente "vê" o que está acontecendo com o pai, você sente a dor dele. No final, esta é uma história sobre pai e filho, e o filme sente muita falta disso. O filme foi projetado para ser uma história de terror e, claro, é uma história de horror, mas, como Jaws, esse não é o objetivo da história, é apenas um processo. O PONTO é os personagens e Kubrick parece nunca entender isso, embora eu questione se Kubrick realmente leu o romance original.

Outro ponto importante - no livro, facilmente meu personagem favorito é Wendy Torrence. Ela é forte de vontade e inteligente. Ela também tem um pouco do brilho e é muito forte. Ela me inspirou. Ela era, como o marido, falho e não queria acreditar no que estava acontecendo até que fosse tarde demais, mas quando ela revidou, ela revidou com força.

No filme? Não muito. Escolher Shelly Duvall nesse papel parece um insulto a esse personagem que Stephen King trabalhou tanto para criar. Ela é a anti-Wendy. Ela é um rato. Ela é tímida, insegura e assustada. Ela é tudo o que o "livro" Wendy não é. Ela está, para mim, fora de uma grande lista, se as decepções no filme, a maior.

Há outras coisas - as coberturas de animais são brilhantemente aterrorizantes no livro - nem mencionadas no filme. Dick Hallerann é MUITO mais importante no livro - ele é apenas uma nota de rodapé no filme. E o Hotel - é PERSONAGEM no livro, não posso dizer o suficiente. É uma coisa viva de respiração no livro. E no filme, é apenas uma casa mal-assombrada.

Eu li quase todos os livros de Stephen King que ele publicou. Meu favorito, de longe, é um livro que ele fez com Peter Straub chamado The Talisman. Mas um segundo próximo, eu acho que é o Shining. Eu li o Talisman 4 vezes, e é o único livro que eu já li mais de uma vez - estou pensando em ler o Shinning uma segunda vez e acompanhá-lo com o Dr. Sleep, a sequência muito bem escrita do Brilhando.

Se você gostou do filme porque achou o papel de Jack assustador e legal e gosta do estilo de Kubrick - tudo bem. Mas eu encorajo você a fazer 2 coisas:

1) Leia o livro. Sozinho com a neve caindo lá fora, se você for realmente corajoso.

2) Confira as minisséries da TV - ele faz um trabalho muito melhor em seguir o livro. E, embora tenha sido "feito para a TV", é surpreendentemente assustador - para mim, muito mais do que o filme de Kubrick já foi.

Ps Há uma diferença entre assustador - e aterrorizante. O filme de Kubrick era assustador - com os ângulos estranhos da câmera e os dois fantasmas das garotas. O livro de King é um animal totalmente diferente.