Jehov vs jesus

Jeová é o Pai e Jesus é o filho.

Há um equívoco de que Jesus é Deus, mas isso não é verdade. Existem duas pessoas diferentes. E a Bíblia explica isso claramente. Aqui estão alguns exemplos:

  • Lucas 1:32: “Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo, e Jeová Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai. .. "
  • João 20:31: “Mas estes foram escritos para que você acredite que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e por causa de Belding, você pode ter vida por meio do nome dele”.

Estes são apenas alguns dos exemplos que vieram à mente, a Bíblia diz que Jesus é o Filho enviado por seu Pai Jeová para nos sermos humanos imperfeitos, para que possamos ter a chance de viver eternamente em Seu reino.

Jesus e Jeová, e Allah são todos iguais. DEUS é um poder maior do que nós. A humildade é uma excelente niveladora. Quem pensa que é maior que DEUS é um tolo. todos nós recebemos presentes, algumas pessoas podem correr, outras podem ser ótimas estudantes, outros pintores Cantores, músicos, padeiros, fabricantes de palitos de vela, mas todos acabamos em um buraco no chão. se você quer viver uma vida plena, está provado que ser capaz de olhar para um poder superior ao nosso e garantirá que chegamos ao fim de nossas vidas com esperança em nossos corações, esperança de que o encontraremos com todo mundo amor na próxima vida. pessoas sem esperança morrem miseravelmente e mais cedo do que pessoas que têm fé, os cristãos não são cínicos, Tomé era, mas Jesus lhe apareceu. hoje os cristãos acreditam sem ver. isso é chamado de fé.

Jesus é Jeová encarnado.

Hebreus 1:10 Ele também diz (sobre Jesus): "No princípio, ó Senhor, lançaste os fundamentos da terra, e os céus são obra das tuas mãos".

Que se referiu no Salmo 102: 24,25 "Então eu disse:" Não me leve, ó meu Deus, no meio dos meus dias; seus anos passam por todas as gerações. No princípio, ó Senhor, lançaste os fundamentos da terra, e os céus são obra das tuas mãos "

Atos 2:25 Davi disse sobre ele (Jesus): "Eu sempre vi o SENHOR diante de mim. Porque ele está à minha direita, não serei abalado".

O que é referenciado no Salmo 16: 1-2,8 Guarda-me, ó Deus, pois em ti me refugio. Eu disse ao SENHOR: Tu és o meu SENHOR; além de ti não tenho nada de bom. ... pus o Senhor sempre diante de mim. Porque ele está na minha mão direita, não ficarei abalado.

A palavra "SENHOR" em hebraico é Jeová.

Jesus é filho de Jeová. Jesus foi a primeira criação de Jeová. Ele viveu nos céus com Jeová e ajudou na criação de todas as outras coisas. Agora, o nome de Jesus era apenas “Jesus” depois que ele foi enviado para a Terra e nasceu para a virgem Maria. O nome que Jeová lhe deu nos céus era “Miguel” (também conhecido como Arcanjo Miguel). Além disso, Jesus só ficou ciente de sua existência no céu depois que ele foi batizado aos 30 anos.

Antes de Jesus vir à terra:

Filipenses 2: 6 -

falando de Jesus, diz que

"... embora ele existisse na forma de Deus,

não levou em consideração uma convulsão,

nomeadamente,

que ele deveria ser igual a Deus ".

Enquanto estiver na terra:

João 14:28 -

Jesus disse:

"

o pai é maior

do que eu. "

João 20:

17 -

"

Jesus disse

... "vá até meus irmãos e diga a eles: 'Estou subindo para

meu pai

e seu pai e para

meu Deus

e seu Deus. '""

Futuro:

1 Coríntios 15:28

-

"

Deus “submeteu todas as coisas aos seus pés (de Jesus)

. ”

+

Mas quando ele diz que 'todas as coisas foram submetidas',

é evidente

que isso

não inclui Aquele (Jeová) que lhe submeteu todas as coisas

.

28.

Mas quando todas as coisas lhe forem submetidas, então

o filho (jesus)

ele mesmo

vai

Além disso

sujeitar-se ao Um

que sujeitou todas as coisas a ele,

que Deus seja tudo para todos

. "

Deus fez Jesus rei e exaltou.

Assim, podemos concluir com segurança que Jeová é o pai, criador e Deus de Jesus.

Compartilho um pouco de esperança que pode ajudá-lo a resolver o problema.

Responda:

Deus Todo-poderoso

diz

"

Jeová

'é o nome que tomei durante o Meu trabalho em Israel, e significa o Deus dos israelitas (povo escolhido de Deus) que pode ter pena do homem, amaldiçoar o homem e guiar a vida do homem. Significa o Deus que possui grande poder e é cheio de sabedoria. 'Jesus' é Emmanuel, e significa a oferta pelo pecado que é cheia de amor, cheia de compaixão e redime o homem. Ele fez o trabalho da Era da Graça e representa a Era da Graça, e pode representar apenas uma parte do plano de gerenciamento. Ou seja, somente Jeová é o Deus do povo escolhido de Israel, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac, o Deus de Jacó, o Deus de Moisés e o Deus de todo o povo de Israel. E assim, na era atual, todos os israelitas, exceto a tribo de Judá, adoram a Jeová. Eles fazem sacrifícios a Ele no altar, e O servem vestindo roupas de sacerdotes no templo. O que eles esperam é o reaparecimento de Jeová. Somente Jesus é o Redentor da humanidade. Ele é a oferta pelo pecado que redimiu a humanidade do pecado. Ou seja, o nome de

Jesus

veio da Era da Graça e existiu por causa do trabalho de redenção na Era da Graça. O nome de Jesus existia para permitir que as pessoas da Era da Graça renascessem e salvas, e é um nome particular para a redenção de toda a humanidade. E assim o nome 'Jesus' representa a obra da redenção e denota a Era da Graça. O nome 'Jeová' é um nome específico para o povo de Israel que vivia sob a lei. Em cada era e em cada estágio do trabalho, Meu nome não tem fundamento, mas tem um significado representativo: cada nome representa uma idade. 'Jeová' representa a Era da Lei e é o honorífico a Deus adorado pelo povo de Israel. 'Jesus' representa a Era da Graça e é o nome do Deus de todos aqueles que foram redimidos durante a Era da Graça. Se o homem ainda anseia pela chegada de Jesus, o Salvador, durante os últimos dias, e ainda espera que Ele chegue à imagem que ele exibia na Judéia, então todo o plano de gerenciamento de seis mil anos pararia na Era da Redenção e continuaria. ser incapaz de progredir mais. Além disso, os últimos dias nunca chegariam, e a era nunca chegaria ao fim. Isso ocorre porque 'Jesus, o Salvador', é apenas para a redenção e salvação da humanidade. Eu tomei o nome de 'Jesus' para o bem de todos os pecadores da Era da Graça, e não é esse o nome pelo qual trarei a humanidade inteira ao fim. ”

(da palavra aparece na carne) As palavras de Deus Todo-Poderoso explicam-nos o significado do nome de Deus em cada era. Na era da lei, o nome de Deus era "Jeová". Este nome representa a disposição de majestade, ira, maldição e misericórdia que Deus expressou ao povo daquela época. Desde então, em nome de “Jeová”, Deus começou Seu trabalho na Era da Lei. Ele emitiu leis e mandamentos e formalmente levou Sua humanidade recém-nascida a viver na Terra. Ele exigiu que eles obedecessem estritamente à lei e aprendessem a adorar e magnificar a Deus. A bênção e a graça de Deus repousariam sobre quem seguisse a lei de Jeová. Os que infringissem a lei seriam apedrejados até a morte ou queimados pelo fogo celestial. Assim, os israelitas sob a lei o mantiveram fielmente e honraram o nome de Jeová como sagrado, e viveram milhares de anos sob a orientação de Jeová até o fim da Era da Lei. No final da Era da Lei, as pessoas haviam se tornado cada vez mais corruptas e pecaminosas e eram incapazes de cumprir a lei, e todos estavam em constante perigo de punição por infringir a lei. Portanto, Deus fez uma etapa da obra de redenção em nome de "Jesus". Ele terminou a Era da Lei e iniciou a Era da Graça, e expressou a disposição de amor e misericórdia. Ele impôs Sua graça ilimitada sobre o homem, e finalmente foi crucificado para redimir o homem do pecado. Desde então, o homem começou a orar em nome de Jesus, a adorar o nome de Jesus como sagrado e a desfrutar do perdão de Deus e de Sua graça sem limites. O nome "Jesus" existe para permitir que o povo da Era da Graça renasça e salve. Seu significado original é a oferta pelo pecado, cheia de amor e misericórdia, que redime as pessoas. O nome "Jesus" representa a obra redentora de Deus, e também a disposição de Deus de amor e misericórdia. Podemos ver nas duas etapas anteriores da obra de Deus que o nome que Deus escolhe em cada era tem significado. Cada um representa a obra e a disposição que Deus expressa naquela época. Na Era da Graça, se o Senhor tivesse sido chamado de "Jeová" quando Ele veio, em vez de "Jesus", a obra de Deus ainda teria sido a obra da Era da Lei. E a humanidade corrupta nunca teria ganho a redenção de Deus. No final, eles teriam sido condenados e punidos por violar a lei de Deus. Quando Deus vem nos últimos dias, se Ele ainda tivesse o nome "Jesus", a humanidade corrupta somente receberia salvação e perdão por seus pecados. Eles nunca alcançariam a santidade e entrariam no reino de Deus. Isso ocorre porque os pecados dos homens foram perdoados pela redenção de Jesus, mas sua natureza pecaminosa ainda permanece. Muitas vezes ainda pecam e não são totalmente conquistados por Deus. Para salvar completamente os homens do pecado, Deus está fazendo uma nova obra de purificar e salvar completamente os homens, com base na obra de Jesus. E então o nome de Deus deve mudar.

Jesus Jeová A Bíblia Jesus Deus, o Pai (Pai Celestial) O Espírito Santo Crê em Deus

Jeová é uma palavra híbrida que deriva do mal-entendido cristão da língua hebraica. O Tetragrammaton, como descrito abaixo, é YHWH ou Yud Heh Vav Heh (curiosamente, toda palavra ofegante). O hebraico é uma língua de consoantes e no tempo de Jesus não havia vogais anexadas a nenhuma das palavras. Você tinha que saber pronunciar as palavras. Por volta de 600 dC, os massoretas estavam preocupados com a perda do idioma hebraico e introduziram a vogal apontando para adicionar leitura. No entanto, porque o hebraico não falava o nome, substituindo Adonai, quando a vogal apontou, eles usaram as quatro letras, mas adicionaram os pontos da vogal para Adonai. Quando um monge cristão, creio que era Dennis, o Curto, estava traduzindo que não sabia o que havia acontecido e, portanto, literalmente traduziu, fazendo a tradução Y a / e (o a ou e de Adonai) H o (o o de Adonai ) W a (o ai de Adonai) e o H, daí Jeová ou Jeová. Então, uma tradução errada. No entanto, acredito que Deus entende nossas falhas e sabe o que queremos dizer. Então, qual é o relacionamento, bem como declarado abaixo Yeshua significa 'Yah é salvação' e é isso que Jesus era, nossa salvação.

Jeová é simplesmente uma das pronúncias do nome hebraico para Deus dado a Moisés na sarça ardente do Antigo Testamento. A palavra é uma palavra de quatro letras chamada tetragrammaton que consiste nas letras hebraicas (da direita para a esquerda) de. Yod-ele-vav-ele. Isso significa que eu sou. Jesus é o filho de Deus, enviado de Deus e ainda um com Deus e com Deus. (Ver João 1: 1) Seu nome em hebraico está relacionado ao nome de Deus, embora seja traduzido como Yshua. Não muito diferente de Josué ou Jeosau.

Alguns traduzem o nome de Deus como Javé como o 'yod' pode ser pronunciado como 'y' ou 'j' e o vav como 'w' ou 'v'. Ambos são aceitáveis ​​na prática cristã e em outras práticas. Algumas tradições hebraicas, como chassídica ou ortodoxa, consideram o nome de Deus santo demais para pronunciar e até representam as vogais com traços.

É interessante notar que, antes de Moisés, Deus declara seu nome EU SOU, e mais tarde, quando Jesus vem, o Eu Sou é estendido, por exemplo, Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida, eu sou o pão do céu, sou a verdadeira videira, e muitos outros. As escrituras ensinam que Jesus estava com Deus e era Deus. É uma questão de fé.

JESUS ​​CRISTO

O nome e o título do Filho de Deus desde o tempo de sua unção enquanto na terra.

O nome Jesus (Gr.,

Eu · sousʹ

) corresponde ao nome hebraico Jeshua (ou, em sua forma mais completa, Jehoshua), que significa “Jeová é salvação”. O nome em si não era incomum, muitos homens sendo nomeados naquele período. Por esse motivo, as pessoas freqüentemente adicionavam mais identificações, dizendo: "Jesus, o Nazareno". (

10:47; At 2:22

) Cristo é do grego

Khri · stosʹ,

o equivalente ao hebraico

Ma · shiʹach

(Messias) e significa "Ungido". Considerando que a expressão “ungido” foi aplicada corretamente a outros antes de Jesus, como Moisés, Arão e Davi (

Hb 11: 24-26; Le 4: 3; 8:12; 2Sa 22:51

), a posição, o cargo ou o serviço para o qual eles foram ungidos apenas prefiguravam a posição, o cargo e o serviço superiores de Jesus Cristo. Jesus é, portanto, preeminentemente e exclusivamente "o Cristo, o Filho do Deus vivo".

-

Mt 16:16

Existência pré-humana.

A pessoa que ficou conhecida como Jesus Cristo não começou a vida aqui na terra. Ele próprio falou de sua vida celeste pré-humana. (

Jo 3:13; 6:38, 62; 8:23,42, 58

)

João 1: 1, 2

dá o nome celestial daquele que se tornou Jesus, dizendo: “No princípio, a Palavra [Gr.,

Loʹgos

] era, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era um deus ["era divino"

AT; Mo;

ou "do ser divino"

Böhmer; Palco

(ambos alemães)]. Este foi no começo com Deus. ” Visto que Jeová é eterno e não teve começo (

Sl 90: 2; Re 15: 3

), o fato de a Palavra estar com Deus desde o “princípio” deve aqui se referir ao início das obras criativas de Jeová. Isso é confirmado por outros textos que identificam Jesus como "o primogênito de toda a criação", "o começo da criação por Deus". (

Col 1:15; Re 1: 1;3:14

) Assim, as Escrituras identificam a Palavra (Jesus em sua existência pré-humana) como a primeira criação de Deus, seu Filho primogênito.

Que Jeová era verdadeiramente o Pai ou Dador de Vida deste Filho primogênito e, portanto, que esse Filho era realmente uma criatura de Deus, é evidente nas declarações de Jesus. Ele apontou para Deus como a fonte de sua vida, dizendo: "Vivo por causa do Pai". De acordo com o contexto, isso significava que sua vida resultou ou foi causada por seu Pai, assim como o ganho de vida por homens moribundos resultaria de sua fé no sacrifício de resgate de Jesus.

-

João 6:56, 57

.

Se as estimativas dos cientistas modernos sobre a idade do universo físico estão quase corretas, a existência de Jesus como uma criatura espiritual começou milhares de milhões de anos antes da criação do primeiro humano. (Comparar

Mic 5: 2

.) Este Filho do espírito primogênito foi usado por seu Pai na criação de todas as outras coisas. (

Jo 1: 3; Col 1:16, 17

) Isso incluiria os milhões de outros filhos espirituais da família celestial de Jeová Deus (

Da 7: 9, 10; Re 5:11

), bem como o universo físico e as criaturas originalmente produzidas nele. Logicamente, foi a esse Filho primogênito que Jeová disse: “Façamos o homem à nossa imagem, à nossa semelhança.” (

Gên 1:26

) Todas essas outras coisas criadas não foram criadas apenas "por ele", mas também "por ele", como o primogênito de Deus e o "herdeiro de todas as coisas".

-

Col 1:16;Hb 1: 2

.

Não é um co-criador.

A participação do Filho nos trabalhos criativos, no entanto, não fez dele um co-Criador com seu Pai. O poder da criação veio de Deus através do seu espírito santo, ou força ativa. (

Gên 1: 2; Salmos 33: 6

) E como Jeová é a Fonte de toda a vida, toda criação animada, visível e invisível, deve sua vida a ele. (

Salmos 36: 9

) Em vez de ser co-criador, o Filho era o agente ou instrumento através do qual Jeová, o Criador, trabalhava. O próprio Jesus creditou a Deus a criação, assim como todas as Escrituras.

-

Mt 19: 4-6

Sabedoria personificada.

O que é registrado a respeito da Palavra nas Escrituras se encaixa notavelmente na descrição dada em

Provérbios 8: 22-31

. Ali, a sabedoria é personificada, representada como se fosse capaz de falar e agir. (

Pr 8: 1

) Muitos escritores cristãos professos dos primeiros séculos da Era Comum entendiam que esta seção se referia simbolicamente ao Filho de Deus em seu estado pré-humano. Em vista dos textos já considerados, não há como negar que aquele Filho foi "produzido" por Jeová "como o começo de seu caminho, a mais antiga de suas realizações de muito tempo atrás", nem que o Filho estava "ao lado de [Jeová] como obreiro ”durante a criação da Terra, conforme descrito nesses versículos de Provérbios. É verdade que, em hebraico, que atribui gênero a seus substantivos (como muitas outras línguas), a palavra “sabedoria” está sempre no gênero feminino. Esse continuaria sendo o caso, embora a sabedoria fosse personificada e, portanto, não descartaria que a sabedoria fosse usada figurativamente para representar o Filho primogênito de Deus. A palavra grega para "amor" na expressão "Deus é amor" (

1Jo 4: 8

) também é do gênero feminino, mas isso não torna Deus feminino. Salomão, o principal escritor de Provérbios (

Pr 1: 1

), aplicou o título

q he · heeth

(congregador) para si mesmo (

Ec 1: 1

) e essa palavra também é do gênero feminino.

A sabedoria se manifesta apenas por ser expressa de alguma maneira. A própria sabedoria de Deus foi expressa na criação (

Pr 3:19, 20

) mas

através

o filho dele. (Comparar

1Co 8: 6

.) Assim, também, o propósito sábio de Deus envolvendo a humanidade é manifestado através de, e resumido em, seu Filho, Jesus Cristo. Assim, o apóstolo poderia dizer que Cristo representa "o poder de Deus e a sabedoria de Deus" e que Cristo Jesus "se tornou para nós sabedoria de Deus, também justiça e santificação e liberação por resgate".

-

1Co 1:24, 30

; comparar

1Co 2: 7, 8; Pr 8: 1, 10, 18-21

.

Como ele é o "Filho unigênito".

Jesus sendo chamado de "Filho unigênito" (

Jo 1:14; 3:16, 18; 1Jo 4: 9

) não significa que as outras criaturas espirituais produzidas não eram filhos de Deus, pois também são chamadas de filhos. (

Gên 6: 2, 4; Jó 1: 6; 2: 1; 38: 4-7

) No entanto, em virtude de ser o único

direto

criação de seu Pai, o Filho primogênito era único, diferente de todos os outros filhos de Deus, todos eles criados ou criados por Jeová

através

aquele primogênito. Assim, “a Palavra” era o “filho unigênito” de Jeová em um sentido particular, assim como Isaque era o “filho unigênito” de Abraão em um sentido particular (seu pai já tinha outro filho, mas não por sua esposa Sara).

-

Hb 11:17; Gên 16:15

.

Por que chamado "a Palavra".

O nome (ou, talvez, o título) "a Palavra" (

Jo 1: 1

) aparentemente identifica a função que o Filho primogênito de Deus desempenhou após a formação de outras criaturas inteligentes. Uma expressão semelhante é encontrada em

Êxodo 4:16

, onde Jeová diz a Moisés a respeito de seu irmão Arão: “E ele deve falar por você ao povo; e deve ocorrer que ele servirá de boca para você, e você servirá como Deus para ele. ” Como porta-voz do principal representante de Deus na Terra, Arão serviu como "uma boca" para Moisés. O mesmo acontece com a Palavra, ou Logos, que se tornou Jesus Cristo. É evidente que Jeová usou seu Filho para transmitir informações e instruções a outras pessoas de sua família de filhos espirituais, assim como ele usou esse Filho para transmitir sua mensagem aos humanos na Terra. Mostrando que ele era a Palavra de Deus, ou Porta-voz, Jesus disse aos ouvintes judeus: “O que ensino não é meu, mas pertence àquele que me enviou. Se alguém quiser fazer a vontade Dele, saberá a respeito do ensino se é de Deus ou se falo da minha própria originalidade. ”

-

João 7:16, 17

; comparar

Jo 12:50; 18:37

.

Sem dúvida, em muitas ocasiões durante sua existência pré-humana como a Palavra, Jesus agiu como porta-voz de Jeová para as pessoas na terra. Enquanto certos textos se referem a Jeová como se falassem diretamente aos seres humanos, outros textos deixam claro que ele o fez por meio de um representante angelical. (Comparar

Êx 3: 2-4

com

At 7:30, 35

; Além disso

Gên 16: 7-11, 13; 22: 1,11, 12, 15-18

.) Razoavelmente, na maioria dos casos, Deus falou através da Palavra. Ele provavelmente o fez no Éden, pois em duas das três ocasiões em que é mencionada a fala de Deus ali, o registro mostra especificamente que alguém estava com Ele, sem dúvida, seu Filho. (

Gên 1: 26-30; 2:16, 17; 3: 8-19, 22

) O anjo que guiou Israel pelo deserto e cuja voz os israelitas deveriam obedecer estritamente porque 'o nome de Jeová estava dentro dele' pode, portanto, ter sido o Filho de Deus, a Palavra.

-

Êx 23: 20-23

; comparar

Jos 5: 13-15

.

Isso não significa que a Palavra seja o único representante angélico através de quem Jeová falou. As declarações inspiradas em

Atos 7:53, Gálatas 3:19

e

Hebreus 2: 2, 3

deixe claro que o pacto da Lei foi transmitido a Moisés por filhos angélicos de Deus que não sejam seu Primogênito.

Jesus continua a levar o nome "A Palavra de Deus" desde seu retorno à glória celestial.

-

Re 19:13, 16

.

Por que algumas traduções da Bíblia se referem a Jesus como "Deus", enquanto outros dizem que ele era "um deus"?

Algumas traduções renderizam

João 1: 1

como dizendo: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus." Literalmente, o texto grego diz: "No princípio era a palavra, e a palavra era para com Deus, e deus era a palavra". O tradutor deve fornecer maiúsculas conforme necessário no idioma para o qual ele traduz o texto. É claramente apropriado capitalizar "Deus" na tradução da frase "o deus", pois isso deve identificar o Deus Todo-Poderoso com quem a Palavra era. Mas a capitalização da palavra "deus" no segundo caso não tem a mesma justificativa.

o

Tradução do Novo Mundo

reproduz este texto: “No princípio, a Palavra era, e a Palavra estava com Deus, e a Palavra era um deus.” É verdade que não há artigo indefinido (correspondente a "a" ou "an") no texto original em grego. Mas isso não significa que não deva ser usado na tradução, para koine ou grego comum,

não tinha artigo indefinido.

Portanto, em todas as Escrituras Gregas Cristãs, os tradutores são obrigados a usar o artigo indefinido ou não, de acordo com sua compreensão do significado do texto. Todas as traduções para o inglês dessas Escrituras contêm o artigo indefinido centenas de vezes; no entanto, a maioria não o usa em

João 1: 1

. No entanto, seu uso na renderização deste texto tem bases sólidas.

Primeiro, deve-se notar que o próprio texto mostra que a Palavra foi

"com

Deus ”, portanto não podia

estar

Deus, isto é, seja o Deus Todo-Poderoso. (Observe também

vs 2

, o que seria desnecessário se

vs 1

na verdade, mostrou que a Palavra era Deus.) Além disso, a palavra “deus” (Gr.,

o · osʹ

) em sua segunda ocorrência no versículo, é significativamente sem o artigo definido "o" (Gr.,

ho

) Sobre esse fato, Ernst Haenchen, em um comentário sobre o Evangelho de

João (capítulos 1-6

), declarou: “[

o · osʹ

] e [

ho the · osʹ

] ('deus, divino' e 'o Deus') não eram a mesma coisa nesse período. . . . De fato, para o. . . Evangelista, somente o Pai era 'Deus' ([

ho the · osʹ

]; cf.

17: 3

); 'o Filho' era subordinado a ele (cf.

14:28

) Mas isso é apenas sugerido nesta passagem, porque aqui a ênfase está na proximidade de um para o outro. . . . Era possível no monoteísmo judaico e cristão falar de seres divinos que existiam ao lado e debaixo de Deus, mas não eram idênticos a ele.

Fp 2: 6-10

prova isso. Nessa passagem, Paulo descreve exatamente um ser divino, que mais tarde se tornou homem em Jesus Cristo. . . Assim, tanto em Filipenses quanto em

João 1: 1

não se trata de um relacionamento dialético entre dois em um, mas de uma união pessoal de duas entidades. ”

- João 1, traduzido por RW Funk, 1984, pp. 109, 110.

Depois de dar como tradução de

João 1: 1c

"E divino (da categoria divindade) era a Palavra", continua Haenchen, afirmando: "Nesse caso, o verbo 'era' ([

en

]) simplesmente expressa predicação. E o substantivo predicado deve, portanto, ser observado com mais cuidado: [

o · osʹ

] não é a mesma coisa que [

ho the · osʹ

] ('divino' não é a mesma coisa que 'Deus'). ” (pp. 110, 111) Elaborando esse ponto, Philip B. Harner destacou que a construção gramatical em

João 1: 1

envolve um predicado anártrico, ou seja, um substantivo predicado sem o artigo definido "the", que precede o verbo, cuja construção é primariamente qualitativa em significado e indica que "the

logotipos

tem a natureza de

theos. "

Ele afirmou ainda: “Em

João 1: 1

Eu acho que a força qualitativa do predicado é tão proeminente que o substantivo [

o · osʹ

] não pode ser considerado definitivo. ” (

Revista de Literatura Bíblica,

1973, pp. 85, 87) Outros tradutores, também reconhecendo que o termo grego possui força qualitativa e descrevendo a natureza da Palavra, apresentam a frase: “a Palavra era divina”.

—AT; SD; compare Mo; ver apêndice NW, p. 1579

As Escrituras Hebraicas são consistentemente claras ao mostrar que existe apenas um Deus Todo-Poderoso, o Criador de todas as coisas e o Altíssimo, cujo nome é Jeová. (

Gên 17: 1; Isa 45:18; Salmos 83:18

) Por esse motivo, Moisés poderia dizer à nação de Israel: “Jeová, nosso Deus, é um Jeová. E você deve amar a Jeová, seu Deus, com todo o seu coração, toda a sua alma e toda a sua força vital. ” (

De 6: 4, 5

) As Escrituras Gregas Cristãs não contradizem esse ensinamento que havia sido aceito e crido pelos servos de Deus por milhares de anos, mas eles o apóiam. (

12:29; Ro 3:29, 30; 1Co 8: 6; Ef 4: 4-6; 1Ti 2: ​​5

) O próprio Jesus Cristo disse: “O Pai é maior do que eu” e se refere ao Pai como seu Deus, “o único Deus verdadeiro”. (

Jo 14:28; 17: 3; 20:17; 15:34; Re 1: 1; 3:12

) Em inúmeras ocasiões, Jesus expressou sua inferioridade e subordinação a seu Pai. (

Mt 4: 9, 10; 20:23; Lu 22:41, 42; Jo 5:19; 8:42; 13:16

) Mesmo após a ascensão de Jesus ao céu, seus apóstolos continuaram apresentando a mesma figura.

-

1Co 11: 3; 15:20, 24-28; 1Pe 1: 3; 1Jo 2: 1; 4: 9, 10

.

Esses fatos dão um apoio sólido a uma tradução como “a Palavra era um deus” no

João 1: 1

. A posição preeminente da Palavra entre as criaturas de Deus como o Primogênito, aquele através de quem Deus criou todas as coisas, e como Porta-voz de Deus, fornece uma base real para que ele seja chamado de "deus" ou poderoso. A profecia messiânica em

Isaías 9: 6

predisse que ele seria chamado de "Deus Poderoso", embora não o Deus Todo-Poderoso, e que ele seria o "Pai Eterno" de todos os privilegiados em viver como súditos. O zelo de seu próprio Pai, “Jeová dos exércitos”, conseguiria isso. (

Isa 9: 7

) Certamente, se o adversário de Deus, Satanás, o Diabo, for chamado de "deus" (

2Co 4: 4

) por causa de seu domínio sobre homens e demônios (

1Jo 5:19;Lu 11: 14-18

), então com muito maior razão e propriedade é o Filho primogênito de Deus chamado "um deus", "o deus unigênito" como os manuscritos mais confiáveis ​​de

João 1:18

chamá-lo.

Quando acusado pelos opositores de 'se tornar um deus', a resposta de Jesus foi: “Não está escrito na sua lei”, eu disse: “Vocês são deuses”? Se ele chamou de deuses aqueles contra quem a palavra de Deus veio, e ainda assim a Escritura não pode ser anulada, você me diz quem o Pai santificou e despachou para o mundo: 'Você blasfema', porque eu disse: Eu sou de Deus. Filho?" (

João 10: 31-37

) Jesus citou

Salmo 82

, em que juízes humanos, a quem Deus condenou por não executar a justiça, foram chamados de "deuses". (

Salmos 82: 1, 2, 6, 7

) Assim, Jesus mostrou a irracionalidade de acusá-lo de blasfêmia por afirmar que ele não era Deus, mas o Filho de Deus.

Essa acusação de blasfêmia surgiu como resultado de Jesus ter dito: "Eu e o Pai somos um". (

Jo 10:30

) Que isso não significava que Jesus alegou ser o Pai ou ser Deus é evidente em sua resposta, já parcialmente considerada. A unidade a que Jesus se refere deve ser entendida em harmonia com o contexto de sua declaração. Ele estava falando de suas obras e de seu cuidado com as “ovelhas” que o seguiriam. Suas obras, assim como suas palavras, demonstraram que havia unidade, não desunião e desarmonia, entre ele e seu Pai, um ponto que sua resposta enfatizou. (

João 10:25, 26, 37, 38

; comparar

Jo 4:34;5:30; 6: 38-40; 8: 16-18

.) No que diz respeito às suas “ovelhas”, ele e seu Pai estavam igualmente unidos em proteger essas semelhantes às ovelhas e levá-las à vida eterna. (

João 10: 27-29

; comparar

Eze 34:23, 24

.) A oração de Jesus em nome da unidade de todos os seus discípulos, incluindo os futuros, mostra que a unidade ou união entre Jesus e seu Pai não era a identidade da pessoa, mas o propósito e a ação. Dessa maneira, os discípulos de Jesus poderiam "ser todos um", assim como ele e seu Pai são um.

-

João 17: 20-23

.

Em harmonia com isso, Jesus, respondendo a uma pergunta de Tomé, disse: “Se vocês me conhecessem, também conheceriam meu Pai; a partir deste momento você o conhece e o viu ”, e, em resposta a uma pergunta de Filipe, Jesus acrescentou:“ Quem me viu também viu o Pai. ” (

João 14: 5-9

) Novamente, a explicação a seguir de Jesus mostra que isso aconteceu porque ele representou fielmente seu Pai, falou as palavras do Pai e fez as obras do Pai. (

João 14:10, 11

; comparar

Jo 12:28, 44-49

.) Foi nessa mesma ocasião, na noite de sua morte, que Jesus disse a esses mesmos discípulos: "O Pai é maior do que eu."

-

João 14:28

.

Os discípulos 'vendo' o Pai em Jesus também podem ser entendidos à luz de outros exemplos das Escrituras. Jacó, por exemplo, disse a Esaú: "Eu vi seu rosto como se estivesse vendo o rosto de Deus, pois você me recebeu com prazer." Ele disse isso porque a reação de Esaú estava em harmonia com a oração de Jacó a Deus. (

Gên 33: 9-11; 32: 9-12

) Após o interrogatório de Deus sobre Jó por uma tempestade de vento ter esclarecido o entendimento daquele homem, Jó disse: “De qualquer forma, ouvi falar de você, mas agora meus próprios olhos a veem”. (

Jó 38: 1;42: 5

; Veja também

Juízes 13:21, 22

.) Os 'olhos do seu coração' haviam sido iluminados. (Comparar

Ef 1:18

.) Que a declaração de Jesus sobre ver o Pai deveria ser entendida figurativamente e não literalmente é evidente em sua própria declaração em

João 6:45

bem como pelo fato de João, muito depois da morte de Jesus, escrever: “Ninguém jamais viu Deus; o deus unigênito que está na posição íntima com o Pai é o que o explicou.

-

Jo 1:18; 1Jo 4:12

.

Pergunta original: Qual é a relação entre Jesus e Jeová?

Se você assumir que Jesus era de ascendência judaica (e não é de maneira alguma certo que ele era, apesar de certos "testemunhos" das Escrituras)), haveria uma relação mística entre Jesus e Jeoá-Yahweh. É preciso lembrar que “Israel é o lote de Jeová-Yahweh”, o que significa que a última divindade é o Pai da nação judaica, da mesma maneira que, por exemplo, o Arcanjo Gabriel é o Pai da nação iraniana. Assim, se Jesus fosse realmente judeu, então seu Pai Celestial seria Jeová-Javé.

O que é interessante, porém, é que o próprio Jesus (se quisermos acreditar em João Evangelista) nega que Jevovah-Yahweh seja seu Pai Celestial. Em João 8:38, ele diz: “Falo o que vi com meu Pai; e você faz o que viu com seu (dos judeus) Pai”. Claramente, estes são dois pais diferentes.

Agora, se João 8:38 é verdadeiro, o que fazemos de João 8:44? Da acusação de que o Pai dos Judeus é o diabo e um assassino? Não há como Jesus acusar Jeová-Yahveh, embora seja apenas uma divindade menor, de ser o "diabo" e um assassino. Então, o que está acontecendo aqui?

Sabemos pelas próprias Escrituras que a entidade a quem os judeus identificaram com o nome de Jeová-Javé foi propiciada com sacrifícios de sangue (e talvez até com sacrifícios humanos em algum estágio inicial, como sugere o episódio de Abraão e Isaque). Isso o coloca diretamente na categoria dos espíritos elementares que desfrutam de sangue e são imitadores conhecidos. Se a entidade que os judeus adoravam sob o nome de Jeová-Yahweh era na verdade um elementar, um imitador e, portanto, um mentiroso e um assassino, no sentido de exigir sacrifícios humanos de seus seguidores, então e somente então, os fortes palavras atribuídas a Jesus em João 8:44 podiam ser entendidas.

O nome Jesus (Yeshua) significa "Jeová é salvação". O nome, Jeová (YHWH), é o nome de Deus que Ele revelou a Moisés. O único Deus verdadeiro descrito na Bíblia é Jeová (YHWH). O nome dele significa "EU SOU". É importante lembrar que, ao lermos como Jesus se descreve.

O relacionamento entre Jesus e Jeová (YHWH) é descrito de tantas maneiras nas Escrituras que não será prático tentar uma resposta exaustiva aqui. Jesus é descrito como: 1.a Palavra de Deus, 2.o Filho de Deus, 3.a imagem de Deus, 4. Deus e uma série de outros títulos que são usados ​​de forma intercambiável para Jeová e Jesus.

Ainda assim, é melhor deixar as Escrituras falarem diretamente, por isso listei algumas referências abaixo. Eu espero que isso ajude.

João 1: 1-3, 14, 18 1 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. 2 Ele estava com Deus no princípio. 3 Por ele todas as coisas foram feitas; sem ele nada foi feito que foi feito. _______

14 O Verbo se fez carne e habitou entre nós. Vimos a sua glória, a glória do único Filho, que veio do Pai, cheio de graça e verdade. _______ 18 Ninguém jamais viu Deus, mas o único Filho, que é Deus e está em um relacionamento mais próximo com o Pai, o fez conhecido.

Colossians 2:15 9 Porque em Cristo toda a plenitude da Deidade vive em forma corporal,

Hebreus 1: 1-3 No passado, Deus falou aos nossos antepassados ​​por meio dos profetas, muitas vezes e de várias maneiras, 2 mas nestes últimos dias ele nos falou por seu Filho, a quem designou herdeiro de todas as coisas e por quem também ele fez o universo. 3 O Filho é o esplendor da glória de Deus e a representação exata de seu ser, sustentando todas as coisas por sua poderosa palavra. Depois de ter purificado os pecados, sentou-se à direita da Majestade no céu.

Colossians 1: 15-20 15 O Filho é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação. 16 Porque nele todas as coisas foram criadas: coisas no céu e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos ou poderes, ou governantes ou autoridades; todas as coisas foram criadas através dele e para ele. 17 Ele é antes de todas as coisas, e nele todas as coisas se mantêm unidas. 18 E ele é a cabeça do corpo, a igreja; ele é o princípio e o primogênito dentre os mortos, para que em tudo ele tenha a supremacia. 19 Porque Deus estava satisfeito por ter toda a sua plenitude nele, 20 e através dele para reconciliar consigo mesmo todas as coisas, sejam as coisas na terra ou no céu, fazendo as pazes através do seu sangue, derramadas na cruz.

John 8: 56-59 56 Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia. Ele viu e ficou feliz. 57 Disseram-lhe os judeus: Ainda não tens cinquenta anos, e viste Abraão? 58 Jesus disse-lhes: “Em verdade, em verdade vos digo que antes de Abraão existir, eu sou.” 59 Então eles pegaram pedras para atirar nele, mas Jesus se escondeu e saiu do templo.

John 10: 25-33 25 Jesus respondeu: “Eu te disse, mas você não acredita. As obras que faço em nome de meu pai testemunham sobre mim, 26 mas você não acredita porque não é minha ovelha. 27 As minhas ovelhas ouvem a minha voz; Eu as conheço e elas me seguem. 28 Dou-lhes a vida eterna, e nunca perecerão; ninguém os arrebatará da minha mão. 29 Meu Pai, que os deu a mim, é maior que todos [c]; ninguém pode arrancá-los da mão de meu pai. 30 Eu e o Pai somos um. 31 Novamente, seus oponentes judeus pegaram pedras para apedrejá-lo, 32 mas Jesus lhes disse: “Eu lhes mostrei muitas boas obras do Pai. Por qual destes você me apedreja? 33 “Não estamos apedrejando você por uma boa obra”, responderam eles, “mas por blasfêmia, porque você, um mero homem, afirma ser Deus

Apocalipse 1: 8 “Eu sou o Alfa e o Ômega”, diz o Senhor Deus, “quem é e quem foi e quem virá, o Todo-Poderoso”.

Revelation 22: 12-16 12 “Eis que voltarei trazendo comigo minha recompensa, para retribuir a cada um pelo que fez. 13 Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o último, o começo e o fim. ” 14 Bem-aventurados os que lavam as suas vestes, para que tenham direito à árvore da vida e para que entrem na cidade pelas portas. 15 Do lado de fora estão os cães e feiticeiros, os imorais sexualmente, os assassinos e os idólatras, e todo mundo que ama e pratica a falsidade. 16 “Eu, Jesus, enviei meu anjo para testemunhar sobre essas coisas para as igrejas. Eu sou a raiz e descendente de David, a estrela brilhante da manhã.