Europa vs titan

Muito frio. Muito mais frio que a Sibéria, a Antártica ... Até os robôs seriam congelados. Até a borracha não seria flexível. Explorar a superfície como se estivesse na Terra é impossível. Europa parece ter oceano com abóbadas de superaquecimento no fundo do oceano sob imensa pressão. Se o oceano é água, então a vida poderia existir em torno desses cofres. Isso não significa que eles respiram oxigênio. Mas a presença provável de oxigênio pode ser detectada. Se os humanos tivessem tecnologia para enviar robôs para esses cofres, seria muito interessante. É preciso desenvolver tecnologia para conectar a comunicação do fundo do oceano da Europa às estações de missão terrestre.

Europa: Fatos sobre a lua gelada de Júpiter e seu oceano

Eu li que a Rússia tem tentado desenvolver robôs para enviar à lua. Os robôs são menos arriscados.

Definitivamente. Embora demore algum tempo, uma missão tripulada a Europa provavelmente acontecerá até 2050. Europa é provavelmente o segundo objeto mais habitável em nosso Sistema Solar, segundo a Terra, é claro, por isso é do interesse da humanidade colonizá-lo. Em relação a Titã, acho que será possível colonizá-lo, no entanto, porque ele consiste principalmente de elementos que não são úteis para os seres humanos, duvido que seja colonizado. No entanto, é possível que existam organismos baseados em metano vivendo em Titã.

Quase não importa se "podemos" - a primeira pergunta deve ser "Por que queremos?" ... e não consigo pensar em uma única boa razão.

Mas tenho certeza de que, se houvesse uma necessidade desesperada - poderíamos fazê-lo. Minha aposta é que seria mais barato e mais fácil viver em algo como um cilindro O'Neil em órbita em torno de uma dessas luas e usar ônibus espaciais / reutilizáveis ​​para visitar a superfície quando necessário do que seria realmente viver na superfície.

Além de qualquer outra coisa - nenhum desses dois lugares tem gravidade suficiente para manter os humanos saudáveis ​​... portanto, não poderíamos ficar lá por tempo suficiente para justificar a viagem para chegar lá e voltar para casa novamente.

A resposta é basicamente "Não".