Definição de mão guia

Não. Uma mão forte não leva à paz, prosperidade ou qualquer tipo de sucesso produtivo ou moral. Se você precisar de provas, basta olhar para o século XX. Está cheio de países liderados por uma "mão forte" e todos eles entraram em colapso, matando centenas de milhões de pessoas enquanto faziam isso.

Um estado orientador é tirânico e esse padrão de pensamento é flagrantemente totalitário. O conceito de que o Estado deve orientar os cidadãos, como um rebanho de gado, é incompatível com a governança representativa. É uma rejeição direta de “nós o povo”, e o resultado também careceria de legitimidade.

Estou curioso para saber como o estado possui o conhecimento de quais caminhos são mais produtivos. A citação defende hierarquias de poder sobre as de competência. Isso é perigoso.

O caos é onde novas coisas são encontradas. E essas coisas novas podem recriar a ordem. É assim que temos a linha de montagem. É assim que acabamos com mais poder de computação em nosso pulso do que as missões Apollo possuíam. Não existe um caminho onipotente. Se houvesse, já teríamos recebido a terra prometida.

Claro, mas essa mão orientadora não precisa necessariamente ser um ser humano. No futuro, pode ser principalmente a inteligência artificial e o software que manterão a estrutura da sociedade unida. O Blockchain deve desempenhar um papel central no fornecimento de sistemas burocráticos de escala para a sociedade, dos quais todos podem participar, mas ninguém pode manipular.

Não. O dever do Estado é garantir os direitos de propriedade privada, fazer cumprir os contratos e criar e manter as estruturas e instituições necessárias para isso. Tudo o mais (lei, policiamento, bem-estar, infraestrutura) deriva disso.

Além disso, o estado não tem função alguma. Você precisa entender que o estado é inimaginavelmente estúpido. Não é uma posição para conduzir ninguém a lugar nenhum.

Esta citação parece muito com o socialismo. E o socialismo é a coisa mais perigosa e letal que a humanidade já inventou. Nenhum governo deve ser forte o suficiente para orientar seus cidadãos a fazer qualquer coisa. As sociedades devem ser constituídas principalmente por cidadãos individuais e pelas empresas que possuem e operam. O governo deve sempre ser subserviente a essas entidades, caso contrário, ele inibe a busca pela felicidade a que todos têm direito.

Não, claro que não concordo! Parece uma página tirada do manual de Benito Mussolini para a Itália fascista. (O manual foi escrito pelo filósofo italiano Giovanni Gentile.) De qualquer forma, isso não resultou muito bom para Il Duce, não é?

E, o primeiro seguidor de Mussolini na Alemanha, também não se saiu muito bem com aquele. Seu nome era Adolph Hitler. (Sim, Hitler inicialmente aprendeu com Mussolini, não o contrário, como a maioria das pessoas pensa.) Isso também teve um final ruim.

Considerando todas as coisas, dê-me um pouco de caos e anarquia em vez disso. Aceito isso em qualquer dia da semana - e estou até disposto a lutar por isso, se necessário. E, se a memória não me falha, fiz exatamente isso em um lugar chamado Vietnã.

O dever do estado é tentar criar as condições para a maximização do lucro nos respectivos estados da economia capitalista, qualquer desvio desta busca simples, mas nem sempre fácil de alcançar, normalmente acaba com o governo desse estado perdendo o controle sobre poder .

O Estado é o braço opressor da classe capitalista e, goste ou não, não oprimir os trabalhadores leva à insatisfação da rica classe capitalista. uma vez que isso aconteça, os capitalistas procuram investir em países onde os trabalhadores possam trazer um melhor retorno sobre os investimentos capitalistas

Violência e o estado

Atenciosamente, Ian.

Não.

Na verdade, eu discordo de todas as perguntas do tipo “você concorda com essa afirmação aleatória que caberia em um adesivo de carro” que já vi no Quora. É um formato terrível e dominante para uma pergunta que tenta agrupar todos nós em uma pequena caixa, sem buscar boas respostas.

Este é um exemplo clássico, que se aplica igualmente a ditaduras, monarquias e vários mundos de pesadelo tirânico. Eu acredito que o poder de governar vem dos governados. Eu acredito que nenhum humano tem autoridade sobre outro humano, mas o que eles foram permitidos e essa permissão é revogável, exceto incapacitação. Quem entre nós pode ver o futuro o suficiente para usar uma mão forte em outros humanos e colegas, para guiar e orientar para o desconhecido.

Além disso, observe a Civilização do Vale do Indo, uma civilização pouco conhecida e muito antiga com cidades grandes e ricas, mas nenhum sinal de autoridade centralizada, liderança militar, cívica ou religiosa.

Não - não há nenhuma evidência empírica para autenticar a propriedade do estado dos objetivos, sonhos e aspirações de seus cidadãos são bens do estado a serem distribuídos como o estado achar adequado. Isso insere um intercessor entre mim e meu criador ... e eu não oro ou imploro a um intercessor. Além disso, esse princípio ignora o livre-arbítrio.

Como eu cumpro minha lealdade ao "Senhor, Mestre do Universo e todas as criações nele" é entre mim e meu criador ... não o Estado.

Esta noção de “Estado sabe melhor” é chamada de “comunismo chinês” ... antes era o comunismo soviético. Na prática, o comunismo só funciona quando todas as entradas e saídas de um sistema econômico estão sob controle do Estado ... faltando o controle total e completo de todas as entradas e saídas, o comunismo falha. Logo, o comunismo exige ditadores para trabalhar ... mas mesmo Stalin descobriu que matar 60 milhões de seus próprios cidadãos é uma má ideia, porque 'medo' não é uma estratégia.

Existem evidências empíricas, no entanto, para demonstrar que noções sujas como as praticadas pelo comunismo soviético e chinês nada mais são do que escravidão sob uma pilha de abstrações fumegantes que capacitam os ditadores a se envolverem em assassinatos em massa porque “o Estado considera o curso correto ”.

Não.

“Mãos fortes e guiadoras” também são humanas. Eles têm os mesmos preconceitos, fraquezas e falhas cognitivas.

Mesmo se pudéssemos criar algum tipo de sistema de governo que pudesse selecionar consistentemente governantes que fossem competentes e benéficos, e isso é difícil de fazer, nenhum indivíduo pode estar ciente das necessidades dos grupos de interessados ​​bem o suficiente para provê-los sem seus - entrada garantida. Na melhor das hipóteses, você tem governantes inteligentes o suficiente para conhecer suas limitações e contratar conselheiros com uma vasta experiência. (Isso se torna cada vez mais importante em qualquer sociedade tecnológica sofisticada, onde o planejamento industrial, científico, urbano e social, e mesmo o planejamento artístico e cultural, requer a expertise de profissionais dedicados). Mas, nesse ponto, por que não eliminar o intermediário? Por que não deixar que as pessoas que já estão sugerindo as leis que uma combinação forte de legislativo e executivo vai implementar ... simplesmente façam leis?

Isso não quer dizer que organizações como governos e até empresas sejam necessariamente coisas ruins. Como um anarquista, eu quero algo melhor do que o estado-nação e a corporação totalitária de cima para baixo, mas admito que pode ser o caso de que haja tanta inovação além das economias mistas de mercado / planejamento central que possamos realmente fazer. Ainda não realizamos os experimentos para ter certeza dessa conclusão ou de qualquer alternativa, e temos que fazer isso, mas esses experimentos podem falhar e, mesmo em seu melhor, só podem ser implementados rapidamente.

Quer dizer que sabemos, sem sombra de dúvida, que monarquias, regimes totalitários e autoritários, autocracias, oligarquias e outros sistemas que podem criar uma “mão forte para orientar” são falhas.

É claro que as instituições irão interagir com as pessoas individualmente, dando-lhes um contexto dentro do qual podem agir. As leis não apenas impedem nossos comportamentos, mas na verdade ajudam a guiar nossas percepções. Mas quando não há empurra e empurra suficiente entre o indivíduo e a instituição, quando as organizações não são proativamente responsivas às partes interessadas e quando a cultura e os meios informais de interação social não estão impulsionando a sociedade, o resultado é sempre corrupção, clientelismo e fracasso.