Acordes de guitarra alternativos

Outra maneira de ver os acordes que pode servir para razões introdutórias: para cada um dos 12 tons, existem diferentes possibilidades de acordes. Os mais importantes são os acordes maiores e menores e suas variantes (7ª, maj7, min7 e mais). Outros acordes são indiscutivelmente tão importantes, mas exigem um ouvido mais experiente e alguns princípios básicos para serem compreendidos.

Parte da terminologia desta ficha não é padrão. Vou explicar como os acordes funcionam em geral e depois relacionar com o que está na folha.

Os acordes mais básicos vêm da escala maior. Vamos pensar na escala de Dó maior, mostrada abaixo em vermelho:

Para fazer acordes da escala, comece em qualquer nota. Em seguida, gire no sentido horário, pulando todos os outros graus da escala. Aqui estão os sete acordes que você pode fazer na escala de Dó maior:

  • Dó maior: CEG
  • Ré menor: DFA
  • Mi menor: EGB
  • F maior: FAC
  • G7: GBDF
  • Um menor: ACE
  • B diminuído: BDF

O primeiro, quarto e quinto acordes acima são maiores (incluindo G7, que é uma categoria especial de acordes maiores chamada dominante). O segundo, terceiro e sexto acordes são menores. O sexto, Lá menor, é o relativo menor de Dó maior. (Não sei por que a folha chama os outros dois acordes menores de "relativos", isso não é correto.) O acorde de sétima na lista está diminuído e você deve ignorá-lo por enquanto.

Você pode estender os acordes escritos acima adicionando mais graus de escala a eles. C6 é um acorde C maior com A, o sexto grau da escala, adicionado no topo. A teoria por trás dos outros acordes em sua folha é mais complicada; você precisará consultar um livro de teoria musical para a história completa.

A terminologia aqui é muito fora do padrão.

Esta é uma maneira melhor de entender a harmonia cordal ocidental tradicional.

Se você numerar as notas em uma escala de I a VII, os acordes em qualquer tonalidade maior são:

I ii iii IV V vi vii-dim

Então, se esta fosse uma escala de Dó maior, os acordes seriam C, Rm, Em, F, G, Am, Bdim

Em G, os acordes seriam

G, Am, Bm, C, D, Em, F # dim

Em A, os acordes seriam

A, Bm, C # m, D, E, F # m, G # dim

... e assim por diante.

Os mesmos acordes seriam encontrados na tonalidade da relativa menor de Dó, que é Am. O menor relativo de qualquer acorde maior é o acorde menor construído a partir da 6ª nota nessa escala maior.

Você também notará acima que todos os acordes menores na sequência são os acordes menores relativos aos acordes maiores na sequência - Am para C, Rm para F, Em para G. Isso é provavelmente o que o gráfico de acordes está tentando dizer.

Não vejo nenhum agrupamento lógico para os acordes listados como "acordes alternativos", exceto que todos eles podem ser usados ​​para harmonizar uma ou mais notas na tonalidade dada, muitas das quais introduzem notas de fora da tonalidade, mas que funcionam em alguns contextos. É importante lembrar que não existem "regras" reais, apenas diretrizes sobre o que soa bem com outras coisas. Depende muito do contexto.

Bem, se você realmente quiser saber a intenção do autor, pode contatá-lo através de seu site ou telefone. (Talvez faça com que ele se junte ao Quora!)

MANTENDO A TRADIÇÃO DE MARINHEIROS SALGADOS E SONGWRITERS

(941) 445-9522

Guitar Chord Guide ~ por Danny Taddei 1986

Minha opinião é que esta folha deve ser usada com alguma explicação pelo professor. Minha interpretação tem como objetivo ajudar as pessoas a aprender acordes no contexto de compor ou escrever uma música.

  • "Principais acordes" - são os acordes I, IV e V da chave. Estes são os acordes principais que você ouvirá em uma música (Blues, Pop, Rock).
  • Menor relativo - são os acordes "menores relativos" desses mesmos 3 acordes (Am é o menor relativo de C, Dm é o menor relativo de F e E7 é o menor relativo de G7) Menor relativo é um termo e fato da teoria musical . Cada principal tem um menor relativo conforme ensinado no "círculo das quintas".
  • Acho que o que o autor está tentando ensinar com os acordes "alternativos" é uma lista de acordes que podem ser trocados (usados ​​alternativamente) pelos acordes principais com base no gosto do compositor. Por exemplo, um compositor pode querer usar um F6 em vez de um F para dar à música um sabor ligeiramente diferente. Isso "funciona" porque ambos são acordes de Fá maior e o sabor é dado adicionando-se o 6º grau da escala ao acorde. 6 acordes são subestações bastante comuns entre compositores (ou artistas de jazz). A mesma lógica se aplica aos 6 acordes menores.
  • Isso deixa apenas 2 outros tipos de acordes na lista Alternate, Aumentado e Diminuído. Esses são acordes um tanto dissonantes que geralmente são usados ​​como acordes de transição ou "introdução" antes do acorde I. Por exemplo, toque o acorde Cdim, depois um acorde C ou CAug e depois C. Vê como o acorde diminuto cria tensão, que é então liberada quando o acorde I é tocado?

Eu acho que esta folha é uma forma de ensinar às pessoas um monte de acordes, mas dando ao aluno um contexto de quando e como os acordes devem ser aplicados.