Discurso Dr.ª Fernanda Costa: Fórum APPEUAC em Washington Versão para impressão

Dr.ª Fernanda CostaÉ com imenso agrado que participo neste fórum organizado pela APPEUAC, na minha qualidade de Coordenadora do Ensino Português para os EUA. Apraz-me referir que pela primeira vez participa também neste evento a Coordenadora do Ensino Português para o Canadá, a Sra. Dra. Ana Paula Tavares.

 

 

Assim, temos hoje aqui presentes as duas Coordenadoras dos países que a APPEUAC representa, facto que nunca antes tinha acontecido e que constitui a prova que se pode passar das palavras aos actos quando existe empenho pessoal e institucional. Este facto constitui só por si uma prova cabal da excelente relação institucional e profissional que ora se inicia entre a APPEUAC e o Instituto Camões, para que em conjunto  se possa prestar o melhor apoio possível na promoção da LCP – do ensino pré-escolar ao universitário – nestes dois enormes países que são os Estados Unidos e o Canada – uma região há muito eleita por muitos milhares de portugueses que para aqui emigraram – trazendo a Língua e Cultura Portuguesas às gerações mais novas da nossa Diáspora, bem como a todos aqueles que querem aprender Português, vendo nela uma língua global com futuro, falada nos quatro cantos do Mundo.

 

Para cumprimento destes objectivos, o Instituto Camões procurará estabelecer e desenvolver, em colaboração com a sociedade civil – designadamente através de associações com vocação educativa – parcerias com instituições de ensino americanas e organizações internacionais, para a promoção e a divulgação do ensino e da aprendizagem do Português como língua materna e não materna, e como língua segunda e língua estrangeira.


Esta promoção e respectiva divulgação far-se-á através de CLP (open doors), estabelecimentos de ensino, associações e outras entidades nacionais ou estrangeiras, públicas e privadas.

 

Nunca é demais realçar que o EPE se destina a afirmar e difundir a LCP no mundo, como grande língua de comunicação internacional e a divulgar a cultura multissecular portuguesa.

 

Assim, a nova estratégia hoje desenvolvida pelo IC pressupõe forçosamente que haja uma diferenciação entre os diferentes públicos alvo bem distintos, que obviamente carecem de abordagens distintas.

Neste contexto, o EPE destina-se hoje não apenas às comunidades portuguesas, onde é ressentida a crucial necessidade de ser proporcionada a aprendizagem da língua, da história, da geografia e das tradições culturais regionais e nacional às gerações mais novas, mas também a todos aqueles interessados em aprender Português, como língua global, devendo contudo prevalecer o princípio da sua integração nas actividades reconhecidas dos sistemas de ensino dos EUA onde estes públicos-alvo se inserem.

 

Para implementação desta estratégia foi necessário concretizar a transferência da Coordenação do Ensino Português, de Boston para Washington D.C. e proceder à nomeação de um Adjunto da Coordenação, Dr. João Caixinha, que acumula as funções de consultor dentro do DoE de Massachusetts, no âmbito do MoU estabelecido entre o Instituto Camões e aquele departamento. 

 

Procurar-se-á em simultâneo facilitar todas as acções de coordenação entre os Adjuntos desta CEPE-EUA (um já nomeado em Boston, e 2 outros ainda não nomeados, mas previstos para actuarem nas áreas consulares de San Francisco, na Califórnia e de Newark, em New Jersey) e leitorados, com a participação alargada das universidades envolvidas, promovendo-se, deste modo, a “visibilidade” necessária, condição politica sine qua non, para manter o diálogo equitativo com as Autoridades Estaduais americanas.

 

Assim, os 57 Estados e Territórios (que em conjunto constituem a área de jurisdição da Embaixada de Portugal nos EUA) serão divididos em 3 grandes “clusters”, geridos por Adjuntos, que facilitarão a gestão e a interacção entre a CEPE-EUA e os DoE de cada Estado.

 

Abordagem semelhante será concebida para a interacção entre universidades americanas e a CEPE-EUA, designadamente por já existir uma rede escolar formal constituída por 5 leitores – (i) U.Mass em Boston, (ii) Rutgers University em Newark, (iii) Georgetown University em DC, (iv) Berkeley University na California e (v) Universidade de Puerto Rico – que são cumulativamente docentes de apoio pedagógico (DAP) e 8 docentes da rede de docência, no âmbito dos Protocolos de Cooperação existentes entre o Instituto Camões e UMass de Dartmouth (MA), Brown University (RH), NY University (NY), Santa Bárbara University (CA), Stanislaus University (CA) a colaborarem com instituições de ensino superior.

 

Esta colaboração visa potenciar os recursos existentes e dinamizar possíveis sinergias com outras universidades do mesmo Estado, com vista à formação de professores de Português, à elaboração de materiais didácticos e pedagógicos e à reformulação de programas de acordo com os modelos para as línguas estrangeiras, heritage language ou world languages, em total consonância com os standards americanos.

 

A estratégia do IC visa alcançar os objectivos aprovados na Resolução de Conselho de Ministros (nº188/2008 de 27 Novembro) e toma em consideração o Plano de Acção de Brasília, nas principais áreas da actuação propostas para a nova estrutura da CEPE nos EUA, na proporção directa dos meios postos à disposição para alcançar os seguintes objectivos específicos:

 

(i) manter o diálogo com os DoE dos Estados alvo com os quais ja exista um MoU, a fim de consolidar o uso continuado da LCP como “ferramenta” politica e socioeconómica impor-tante para as suas comunidades – como já existe com os DoE de Massachusetts e de Newark (New Jersey);


(ii) procurar criar abordagens, claramente definidas, com os DoE, que já expressaram interesse em serem apoiados no ensino do Português, nomeadamente, Elizabeth Public Schools (NJ), Rhode Island Public Schools (RI) e Miami-Dade County Public Schools (FL);


(iii) promover encontros com os DoE dos Estados que ainda não foram abordados pela CEPE-EUA, visando desenvolver negociações no sentido de se estabelecer MoU (ou protocolos de parceria), nomeadamente, DoE de NYe da California.;


(iv) criar interacções entre os diferentes níveis de ensino: da Educação desde o ensino Pré-Escolar ao Ensino Superior, passando pelo ensino básico e secundário, reforçando a cadeia do ensino académico da nossa língua;


(v) iniciar negociações com escolas e universidades, que já demonstraram interesse no estabe-lecimento de protocolos de colaboração com o Instituto Camões, designadamente, a Uni-ted Nations International School, em Nova York, a Roger Williams University, em Bristol (RI), o Rhode Island College, em Rhode Island e a Northeastern University, em Boston (MA);


(vi) participar num estudo de viabilidade de um CLCP, em NY (segundo conceito open doors), em associação com o AICEP e a FLAD, com vista à abertura do 1º CLCP open doors do Instituto Camões.

 

 Esta será primeira iniciativa jamais protagonizada pelo Instituto Camões nesta modalidade de promoção da LP ao público em geral.

 

Afigura-se-nos que a estratégia do IC seja fundamental para a concretização dos objectivos políticos para a promoção, divulgação e integração da LP nas escolas públicas americanas, através da apropriação da LP como ferramenta de mobilização social das comunidades Portuguesas por parte dos Distritos Escolares e das Comissões de Educação Estaduais e procurar-se-á reforçar a utilização da língua portuguesa como língua de comunicação internacional.

 

Outro aspecto importante desta estratégia, que se apoia na articulação de sinergias, é o facto de permitir a redução importante dos custos operacionais a suportar por Portugal, uma vez que não implica a criação de uma rede escolar semelhante a outros países e limita os encargos para o Instituto Camões, órgão que integra todos os esforços nacionais no EPE.

 

Encontro-me à disposição de todos os presentes para qualquer esclarecimento sobre a nova estratégia do IC e a respectiva legislação.


Bom trabalho e Obrigada a todos,    

 

Discurso Dr.ª Fernanda Costa no Fórum APPEUAC em Washington DC - 12, 13 e 14 de Novembro

 

www.cepe-eua.org